Mealheiro #48: 16 níveis do espetro financeiro

Quem de pobre não passa, a rico não chega

O Morgan Housel, de quem eu já falei aqui antes várias vezes, decidiu-nos deliciar com mais um artigo espetacular no seu blog Collaborative Fund. E eu não podia deixar passar estar oportunidade para partilhar contigo um artigo que explora, de uma forma única, os diferentes níveis existem no mundo das finanças pessoais.


Sendo assim, vamos lá começar.

Nível 0: dependência financeira total na bondade de estranhos que não têm nenhum interesse no teu sucesso. Um sem-abrigo, que vive de dinheiro dado por estranho, encaixa nesta categoria.

Nível 1: dependência financeira total de pessoas que desejam que tenhas sucesso porque gostam de ti e para as quais a sua reputação está diretamente ligada ao teu sucesso. Crianças e jovens adolescentes que não trabalham fazem parte deste nível.

Nível 2: dependência financeira total de pessoas com interesse nos teus resultados financeiros. Por exemplo, alguém que se lançou no lançamento de uma empresa, mas depende de dinheiro de investidores.

Nível 3: capacidade de te sustentares parcialmente, visto que consegues oferecer valor a outros, contudo ainda tens alguma dependência externa. Pessoas jovens que começaram a trabalhar, mas ainda necessitam da ajuda dos pais para necessidades básicas.

Nível 4: capacidade de te sustentares totalmente, oferecendo valor a outros, mas um valor marginal e que é fácil de substituir. Neste nível, uma pessoa já tem uma determinada independência financeira, mas bastante pequena.

Nível 5: poupanças suficientes para te suportar com os problemas mais comuns. Alguém nesta situação tem um pé-de-meia capaz de aguentar pequenos percalços financeiros sem grandes dificuldades.

Nível 6: poupanças suficientes para te suportar com problemas grandes e imprevisíveis. Um segundo nível de segurança financeira, que consegue resistir a despesas altas e pouco prováveis.

Nível 7: poupanças para a reforma, para a educação e para prevenir dívidas de consumo típicas. Alguém ainda dependente de trabalho para terceiros, mas já com um caminho claro para um nível de poupança que lhe trará independência financeira nalgum momento. Este objetivo é o mais comum e realista para a maior parte das pessoas.

Nível 8: a capacidade de escolher um trabalho que te ajuda a evitar vários problemas e complicações desnecessárias. Neste nível, pode ser possível que uma pessoa ainda tenha um trabalho, contudo já tem a liberdade para poder dizer “Não, obrigado” se for o caso.

Nível 9: estares confortável o suficiente com o teu estatuto social para que não sintas a necessidade de exibir as tuas posses. Um enorme problema atualmente, e quase uma espécie de dívida escondida que leva as pessoas a consumir sem necessidade.

Nível 10: a capacidade de dizer não aos bancos, cujas dívidas não precisas, incluindo hipotecas. Embora a dívida possa ser algo bom, no final do dia é mais uma dependência a terceiros que nos limita no crescimento futuro.

Nível 11: poucas situações seriam capazes de te obrigar a voltar abaixo do nível 5. Neste nível, uma pessoa consegue facilmente suportar as suas necessidades básicas durante um ano ou mais, só com as suas poupanças.

Nível 12: valorização de património, juros e dividendos cobrem mais de metade das tuas despesas para sobreviveres. Esta independência dá preferência a um estilo de vida frugal, e põe de parte a necessidade de mostrar e comprar.

Nível 13: os teus ativos, e os seus retornos expectáveis, cobrem as tuas necessidades básicas de vida por mais tempo do que aquele que estarás vivo. Uma pessoa nesta categoria deixa de estar dependente de fatores externos, como um trabalho, e decide como quer viver a sua vida.

Nível 14: os teus ativos, e os seus retornos expectáveis, conseguem suportar as tuas despesas acima daquilo que é o básico que necessitas para sobreviver. Basicamente o equivalente ao nível 13, mas com o acréscimo de se poder gastar mais, em coisas que talvez importem menos, sem receio de ficar sem dinheiro.

Nível 15: a independência permite-te fazeres o que queres, sem teres que te preocupar com os que os outros pensam, visto que não dependes de nada nem de ninguém. Basicamente fuck you money. Chegando a este nível, uma pessoa pode viver sem qualquer receio financeiro.

Nível 16: a filantropia é a única forma possível e imaginável pela qual os teus ativos não serão capazes de crescer mais do que aquilo que gastas.


Interessante não é? E tu, em que nível é que encaixas? E, mais importante do que isso, a que nível é que gostarias de chegar, e o que estás a fazer para lá chegar?


Espero que tenhas gostado 😃 A tua opinião ajuda-me a melhorar, por isso diz-me o que achaste!

Adorei | Gostei | 50/50 | Meh | Péssimo

É um prazer ter-te desse lado, e obrigado por leres. Conheces alguém que poderia beneficar com este artigo?

Partilhar

E, caso ainda não o tenhas feito, não te esqueças de subscrever. Obrigado.