Mealheiro #31: Vieses psicológicos nas finanças pessoais

Os segundos pensamentos são sempre os melhores

Todos nós temos pontos cegos que nos podem levar a tomar decisões erradas. Mas as boas notícias são que podemos, facilmente, aprender a reconhecê-los. Hoje trago-te alguns dos vieses psicológicos mais comuns no espaço das finanças pessoais, assim como algumas dicas de como podes tentar superá-los.

Aversão à perda (Loss aversion)

Aversão à perda é a ideia de que “a dor de perder é psicologicamente cerca de duas vezes mais forte do que o prazer de ganhar. As pessoas estão mais dispostas a assumir riscos para evitar uma perda do que para obter um ganho”.

A aversão à perda cria resistência à mudança. Quando não somos capazes de reconhecer os efeitos disto, tendemos a gastar muito tempo a considerar as perdas potenciais associadas a uma nova oportunidade, ao invés de olharmos para os ganhos que daí podem surgir.

Quando estiveres numa situação assim, tenta pensar da seguinte forma: “O que tenho a perder se não agir?". Isto pode-te ajudar a sair do bloqueio de não tomares uma decisão. Se isto não ajudar, tentar repensar como é que estás a analisar a situação, e se devias mudar alguma coisa na tua abordagem.

Viés da disponibilidade (Availability bias)

Eventos recentes e vividos, mas incomuns, tendem a ter um peso desproporcional nos teus processos de tomada de decisão.

Certamente já ouviste histórias de alguém que ganhou o Euromilhões, ou de alguém que criou uma empresa e ficou rico. Este tipo de resultados positivos são facilmente imagináveis, e isto faz com que influenciem mais facilmente as nossas decisões. Resultado? Essas decisões pareçam mais inteligentes e prováveis do que realmente são. Verdade seja dita, e todos sabemos isso, comprar um bilhete de loteria é um péssimo investimento - contudo, bastante fácil de fazer.

Para conseguires evitar cair neste erro, tenta ser o mais pragmáti@ possível quando estiveres a tomar decisões financeiras. Olha para os números, e evita as emoções.

Efeito de ancoragem (Anchoring bias)

Fenómeno no qual as pessoas tendem a confiar demasiado nas primeiras informações que recebem.

Isto é algo que acontece com alguma regularidade com arrendamentos de casa. Vês um anúncio, ligas para o número, e perguntas o valor da renda. Logo aí, nesse momento em que te é indicado o valor, ficas pres@ ao mesmo. Mesmo que esse preço seja muito acima do mercado, já estás “ancorad@”. E a partir daí, é difícil sair desses limites. Outra situação onde se vê este viés com alguma frequência é no momento de compra de carro.

Para fugires a isto, procura sempre nova informação que comece com uma âncora totalmente nova. E, antes de entrares em negociações, decide qual é a oferta adequada e justa para ti, baseada na informação que recolheste.

Viés de sobrevivência (Survivorship bias)

Falácia lógica de nos concentrarmos em coisas ou pessoas que sobreviveram a algum processo enquanto ignoramos aqueles que foram eliminados devido à sua falta de visibilidade.

O risco de cairmos neste erro aplica-se, acima de tudo, no momento de tomarmos decisões em relação aos nossos investimentos. Temos tendência a olhar para soluções com base em dados publicados (p. ex. rentabilidades passadas) que refletem apenas o sucesso de determinado investimento - mas ignoram completamente os insucessos. Lembrem-se: ganhos no passado não representam ganhos no futuro.

A melhor forma de evitarmos o viés de sobrevivência é obter o máximo de informação possível sobre um determinado produto - tanto dos sucessos, como dos insucessos.


Existem mais. Contudo, acho que estes já são suficientes para te pôr a pensar um bocado sobre o assunto. Mas, se quiseres aprender um bocado mais sobre o assunto, tens aqui algo para explorar.


É um prazer ter-te desse lado, e obrigado por leres. Não te esqueças de subscrever, ou partilhar, se ainda não o fizeste!