Mealheiro #30: O triunfo dos otimistas

Quem sem dificuldades vence, sem prazer triunfa

Isto anda mesmo mal

Quantas vezes ouves isto, no decorrer das tuas interações com outras pessoas? Vou assumir que bastante. Especialmente depois deste ano de pandemia, no qual passamos por tanto, o nível de otimismo das pessoas anda pelos corredores da morte.

Mas será que estamos assim tão mal? É muito fácil, no nosso dia a dia, estarmos extremamente focados na nossa vida. E não há problema nenhum com isso, é normal! Já temos problemas que cheguem, não é? Contudo, por vezes é importante sabermos dar um passo atrás, e tentar alargar a nossa perspetiva. Ver um pouco mais longe do que o nosso “quintal”.

Por exemplo, sabias que o número de pessoas no limiar da pobreza, a nível mundial, está em mínimos históricos?

Vacinação contra o sarampo? 85%, em crianças entre os 12 e os 23 meses!

Acesso a eletricidade? 90%.

E não fica por aqui:

  • Os salários, por pessoa, mundialmente, duplicaram desde 20001;

  • A participação escolar subiu 17% desde 19702;

  • A participação política feminina está a aumentar, e mais do que duplicou desde 20003;

  • A capacidade instalada de energia renovável em todo o mundo cresceu 80% desde 20104;

  • O acesso global à água potável aumentou 16% desde 20005;

  • A esperança média de vida cresceu de 53 anos em 1960 para 72 em 20176;

E muito mais! Não há problema nenhum em, de vez em quando, sermos otimistas. Diria até que nos ajuda a “sobreviver” à enchente de más notícias que nos bombardeiam todos os dias nos noticiários.


Otimismo nos investimentos

Esta mesmo lógica pode-se facilmente aplicar aos nossos investimentos. A partir do momento que o nosso dinheiro está aplicado nalgum ativo financeiro que pode variar de valor, podemo-nos facilmente deixar levar pelas pequenas variações que ocorrem todos os dias. E deixar que isso nos leve a tomar decisões erradas.

Faz parte da natureza humana. Por mais racionais que queiramos ser, no momento em que vemos o nosso portfólio a cair 5%, pomos as mãos à cabeça, achamos que vai ser o fim do mundo e, possivelmente, acabamos a vender as nossas posições. E isto é um erro.

Vamos alargar os nossos horizontes um bocado, pode ser? Se por acaso já fazes investimentos há algum tempo, onde é que estavas quando o mercado caiu 30% em março 2020? O que é que pensaste na altura? Como é que te sentiste? Aguentaste a queda, ou vendeste com medo que fosse cair ainda mais? Tentaste pensar no longo prazo, ou reagiste no momento?

30% é imenso! Sem dúvida. Mas sabes quanto tempo é que os mercados demoraram a recuperar? 6 meses. Só! 6 meses para que o valor todo que se perdeu em março tenha sido recuperado.

Impressionante não é? Mas vamos alargar ainda mais a nossa visão limitada do nosso dia a dia, no que toca a investimentos. E vamos olhar para o que aconteceu nos últimos 150 anos:

As áreas a vermelho são quedas acentuadas do mercado. Mais recentemente, tens a bolha do dot-com, e a crise de 07/08. Mas foca-te na recuperação. Hoje em dia, investimentos feitos nos anos ‘00 já estariam positivos. E é isto que importa: num horizonte alargado, a expectativa é que o nosso dinheiro ganhe valor, se estiver bem investido. Quedas acentuadas são assustadoras, mas passam.

Por isso, da próxima vez que vires um sea of red nos teus investimentos, não te preocupes. Tudo melhora. A tecnologia avança, a produtividade avança, a economia avança. Os mercados avançam também. Sê otimista.

It doesn’t matter what it is. What matters is what it will become.

Dr. Seuss


É um prazer ter-te desse lado, e obrigado por leres. Não te esqueças de subscrever, ou partilhar, se ainda não o fizeste!

1

https://slides.ourworldindata.org/#/22

2

https://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.PCAP.CD

3

https://data.worldbank.org/indicator/SE.PRM.ENRR?locations=1W

4

https://www.dw.com/en/unesco-264-million-children-dont-go-to-school/a-41084932

5

https://www.globalpartnership.org/data-and-results/education-data

6

https://slides.ourworldindata.org/#/16