Mealheiro #28: O tempo perguntou ao tempo

Quem o tempo sabe poupar, muito vem a ganhar

Vi um filme bastante interessante este fim de semana, que me inspirou ao post desta semana, chamado Sem Tempo. Eu sei, tópico estranho, mas já vais perceber onde quero chegar.

Em termos de produção, não é nada de mais. Contudo, a história distópica que conta é muito interessante: os humanos foram geneticamente modificados para, aos 25 anos de idade, deixarem de envelhecer e passarem então a ter uma contagem decrescente no antebraço de 1 ano. Esta modificação genética passa a ser a moeda de troca por bens e serviços para o mundo inteiro. Quando a contagem chega ao fim, a pessoa “expira” e morre. O que implica que quem nunca esgote o seu tempo é essencialmente imortal.

Queres comprar um pão? 2h. Alugar um quarto? 1 dia. Comprar um carro? 30 anos. Precisas de mais tempo? Trabalha. Um empréstimo para uma casa? 30% de juros. Dá que pensar, não?

Embora isto seja uma distopia, as semelhanças à nossa realidade são imensas. Efetivamente nós, sempre que vamos trabalhar, estamos a trocar o nosso tempo por dinheiro. Dinheiro esse que depois utilizamos para comprar coisas, investir no nosso futuro, etc…


Dá que pensar não é? Será que aquilo que estás a dar em troca por este recurso finito que é a tua disponibilidade, te está a dar retornos? Lembra-te de uma coisa: o teu tempo acaba, o teu tempo é finito, mas o dinheiro que a tua empresa te paga por ele talvez não o seja. Ou seja, tu estás a trocar um recurso altamente valioso e não renovável, por algo que, de certa forma, é infinito. Por isso se és alguém que tem cuidado como gasta e investe o dinheiro, pergunto-te:

Como é que estás a investir o teu tempo?


Achas que precisas de colocar isto ainda mais em perspetiva? Aconselho-te vivamente a ler o seguinte artigo do Wait But Why: The Tail End. Lembra-te: todos os dias acordas com 86.400 segundos à tua disposição. Não os gastes de forma descabida.

Aproveito para deixar aqui um projeto, no mínimo, interessante chamado de Banco de Tempo, quem vem da ideia de time banking.

O Banco de Tempo é um sistema de organização de trocas solidárias que promove o encontro entre a oferta e a procura de serviços disponibilizados pelos seus membros. No Banco de Tempo troca-se tempo por tempo. Todas as horas têm o mesmo valor e quem participa compromete-se a dar e a receber tempo.


E é isto, obrigado por leres. Não te esqueças de subscrever se ainda não o fizeste! Ou partilhar 😃