Mealheiro #26: A pandemia das burlas financeiras

Quando a esmola é muita, o pobre desconfia

Tem-se visto ultimamente um aumento considerável de esquemas fraudulentos nas redes sociais. Esquemas em pirâmide, “MLM”s, investimentos em forex, dinheiro rápido. Há de tudo, é só escolher.

Tenho um desprezo enorme por este tipo de coisas, e por aqueles que estão por detrás das mesmas. Acima de tudo porque se alimentam das pessoas mais vulneráveis e suscetíveis a fraude, com baixa literacia financeira, e desesperadas por dinheiro. Há um lugar especial no Inferno para quem faz isto.


Não é difícil evitar este tipo de esquemas, se estiveres atent@. Há uma regra universal, e que nunca falha: não há dinheiro fácil! Ponto final, parágrafo. Se alguém vier falar contigo a oferecer ganhos rápidos e altos, é tudo treta. Isso simplesmente não existe, e vais perder todo o dinheiro que investires nesse esquema. Pode parecer aliciante eu sei, quem é que não gosta de fazer dinheiro não é? Contudo, foge a sete pés! O mais rápido possível.

Mas para o caso de teres dúvidas se estás perante uma burla financeira ou não, seguem 5 sinais de alerta que te podem ajudar:

1. Investimentos em forex, opções binárias e criptomoedas

Este tipo de esquemas oferecem sempre, sempre!, rendimentos acima do normal. Para parecerem mais credíveis, usam como pretexto, produtos financeiros existentes que podem proporcionar rendimentos elevados, mas com risco também elevado. Neste momento, o forex está na moda. Contudo, também tens o caso de opções binárias, ou até mesmo de investimentos em criptomoedas.

Estes produtos são tão arriscados que a probabilidade de ganhar dinheiro a investir é pouco maior do que nas burlas. Para além disso, este tipo de esquemas, muitas vezes, implicam a venda de cursos que te vão ensinar a ter “6 sábados por semana”. É questão para perguntar: se dá assim tanto dinheiro, porque é que estão a vender cursos? É tudo mentira. Foge!

2. Rendimentos acima do normal

O apelo à ganância é comum neste mundo. Retornos altíssimos, com risco baixo, ou nulo. Isto simplesmente não existe. Se o retorno é alto, o risco é alto. Vamos ser realistas, basta analisar o que é oferecido. Alguns destes esquemas prometem retornos tão bons, que ao final de uns anos os investidores estariam claramente na lista de pessoas mais ricas do mundo.

Vou-te dar um ponto de comparação, para entenderes o que quero dizer: os produtos financeiros de capital garantido (habitualmente de baixo risco) pagam, em média, cerca de 2% ao ano. Um investimento que prometa mais de 10% ao ano não será, certamente, de baixo risco. Foge!

3. Esquemas de pirâmide (e Multi Level Marketing, MLM)

Embora as vendas diretas ou marketing multi-nível não sejam ilegais são, na minha opinião, algo que se deve evitar a todo o custo. Assim que entras, é difícil de sair, e se não consegues alimentar o teu bottom line, estás em maus lençóis.

Quanto aos esquemas em pirâmide, o tipo de fraude financeira mais frequente, estes usam o dinheiro dos participantes mais recentes para pagar aos antigos. Se deixam de entrar pessoas, o esquema implode. Muitos destes esquemas podem ser difíceis de distinguir de negócios de marketing multi-nível. Por isso digo que te deves manter longe de ambos. Foge!

4. Pressão para decidir imediatamente

É muito comum em todos os tipos de fraude, não apenas as relacionadas com o mundo financeiro, os burlões tentarem pressionar as vítimas a tomar decisões rápidas, no momento. Não estão interessados em que tenhas tempo de pensar calmamente e ter consciência das características duvidosas das suas propostas. Não te deixes pressionar. Não assines, forneças dados pessoais ou entregues dinheiro sem pensar bem nos prós e nos contras. Em caso de dúvida, informa-te juntos das autoridades competentes - neste caso, a CMVM ou o Banco de Portugal. E depois… Foge!

5. Evitar o sistema bancário

Visto que os burlões querem evitar ao máximo ser apanhados, é normal pedirem pagamentos por fora do sistema bancário - devido à fácil rastreabilidade dos mesmos. Se te disserem que só aceitam dinheiro vivo, ou criptomoedas, ou remessa postal, como a Western Union, então desconfia. E muito. Verdadeiros negócios não evitam o sistema bancário. Foge!

Pontinhos extra

Jogos da sorte e apostas. Não, não são fraude. Mas deviam ser altamente regulados. E não são. Como se ouve dizer por aí, são o “imposto do pobre”. Esta não é a primeira vez que falo sobre isto, e certamente não será a última. Na minha opinião, deviam ter o mesmo nível de avisos como o tabaco e o álcool - são um vício. E também tiram aquelas que têm menos capacidade e/ou literacia financeira. Podes ler mais sobre isso aqui.


E então, o que é que tu podes fazer para evitar tudo isto? Acima de tudo, e mais uma vez, estar atent@. Não só por ti, mas também pela pessoa que está “ao teu lado”. Porque combater esta autêntica pandemia requer um esforço coletivo. A próxima vítima pode ser alguém que conheças, e queres poder estar em condições de evitar isso. Se quiseres começar já, podes sempre partilhar este artigo com os teus conhecidos.

Partilhar

Como combater ativamente estes esquemas? Aqui vão algumas ideias:

Para além disso, e especificamente no que toca a fraude financeira, tanto a CMVM como o Banco de Portugal têm formas de fazer denúncias:

Inicialmente tinha colocado aqui um vídeo do Hugo Medeiros em que ele expôs uma série de esquemas, mas que entretanto teve que remover porque pelos vistos recebeu umas cartinhas de alguns advogados a tentar abafar o assunto. Segue aqui a resposta dele - aproveita para veres alguns dos outros vídeos dele, especialmente os que falam sobre burlas pelo MBWay. Também podes espreitar este aqui do Miguel Ferreira.

E lembra-te: não há dinheiro fácil.


Se ainda não o fizeste, subscreve. Obrigado, e até à próxima 😉